Risco de investimento: saiba como analisar e quais ferramentas usar

Realizar uma análise para medir o risco de investimento de um ativo pode ajudar você a tomar decisões melhores, prevenir perdas e evitar se comprometer economicamente além das suas possibilidades. Em suma, ajuda a otimizar sua gestão financeira.

Isso se torna mais relevante ao saber que 58% da população brasileira não conta com aplicações em ativos. Aliás, mais da metade dos brasileiros desconhece e não usa produtos de investimento. Os dados são da pesquisa “O raio x do investidor brasileiro”, versão 2018, da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (ANBIMA).

Somente 45% afirmou conhecer um ou mais tipos de soluções financeiras — isso em respostas espontâneas, sem alternativas para escolha. Para aqueles que já conhecem, ainda há um bom caminho até conseguir realizar uma análise de risco eficiente, pois ela requer conhecimento e atenção. Por exemplo, buscar dados embasados, utilizar ferramentas de auxílio e contar com a ajuda de profissionais experientes para orientação.

Adiante, separamos informações importantes para você conseguir efetuar uma boa avaliação de ativos. Acompanhe!

Quais são os principais riscos em investimento?

Os investimentos estão suscetíveis a uma série de riscos diferentes, relacionados aos tipos de ativos envolvidos e a aspectos macro e microeconômicos.

Um exemplo é o risco de mercado, que está ligado à valorização ou desvalorização do título, graças a fatores como taxa de juros, cotação, resultados da empresa que emite um ativo desejado etc.

Uma demanda alta ou baixa por esse ativo, devido a esses elementos, pode gerar ganhos ou prejuízos significativos para ele. Sendo assim, temos um fator importante envolvido: a volatilidade do investimento.

Por causa de variações elevadas na procura, para mais ou para menos, o valor e os ganhos do investimento podem sofrer mudanças consideráveis, às vezes, em pouco tempo.

Outro fator é o risco de crédito, que envolve a probabilidade de não receber o retorno de uma aplicação devido a dificuldades do emissor do papel. Empresas que precisam de recursos costumam oferecer juros melhores, porém podem não conseguir entregar a rentabilidade oferecida.

Há, ainda, o risco de liquidez, que se caracteriza pela demanda e pela facilidade de negociar um ativo. Quando há uma procura muito baixa por um investimento, como uma ação, torna-se mais difícil repassá-lo a outro investidor no momento em que se deseja, isto é, quando tiver um bom preço. Até conseguir comercializar esse papel, o seu valor poderá cair e o investidor perder parte dos ganhos que poderia ter.

Qual a importância de entender a relação entre risco e retorno antes de investir?

Na área de investimentos, quanto maior o Retorno Sobre o Investimento (ROI) desejado em uma aplicação, maior tende a ser o risco a se assumir. Isso não é uma regra, mas, geralmente, grandes ganhos estão atrelados a riscos elevados, especialmente em investimentos de renda variável.

Contudo, é possível achar alternativas vantajosas e que contam com riscos moderados ou até pequenos, mesmo nesse grupo. Por isso, uma boa análise de risco é essencial.

Como analisar os riscos de um investimento?

Existem algumas dicas que podem ajudar a avaliar os riscos de um investimento. Confira algumas a seguir!

Conhecer seu perfil de investidor

É indicado conhecer seu perfil de investidor, que pode ser:

  • conservador — tem maior aversão a riscos, de modo que costuma investir em opções mais seguras, mas que geram retornos menores;
  • moderado — consegue aceitar riscos moderados em troca da possibilidade obter ganhos melhores do que o perfil anterior;
  • arrojado — busca ganhos elevados, estando disposto a investir em opções mais arriscadas. Conta com maior tolerância a riscos.

Pesquisar os fatores que podem afetar o ativo

Para fazer um bom investimento, é importante analisar os tipos de riscos mencionados antes. Além disso, pesquise bem o mercado relacionado ao ativo que deseja para ver se há mudanças que podem afetar seu valor e seus retornos para melhor ou para pior.

Observar se há garantias

Algumas aplicações financeiras oferecem garantias reais para quem investe nelas. Por exemplo, o peer-to-peer lending, da Kavod, uma modalidade em que a aplicação realizada pelo investidor vai para uma empresa em busca de crédito, como uma espécie de financiamento.

Os valores pagos por esse crédito, acrescidos dos juros, são repassados mensalmente ao investidor. Graças às garantias oferecidas, é possível reduzir o risco de perder a quantia investida.

Verificar a modalidade do investimento

Há investimentos de renda fixa, que geram ganhos constantes, e de renda variável, cujos ganhos são condicionados a flutuações do mercado. Ambos podem usar taxas e índices financeiros, como o CDI, para cálculo dos ganhos, embora existam ativos que geram retornos de outras formas — como nas valorizações de oferta e demanda no mercado de ações.

Quais as ferramentas necessárias para fazer essa análise?

Além de analisar o perfil de risco, é importante calcular o ROI e utilizar indicadores financeiros para avaliar se os rendimentos estão de acordo com o esperado, bem como se os riscos podem aumentar ou não.

A Kavod, por exemplo, oferece uma ferramenta para medir se determinado investimento em peer-to-peer lending é seguro: o “termômetro de risco de investidor”. Ele consiste em um relatório do Serasa disponibilizado aos investidores. Ele confere maior segurança devido às seguintes razões:

  • a Serasa é uma fonte isenta, transparente e renomada no mercado, sendo independente à Kavod;
  • o relatório é bastante completo, permitindo ao investidor analisar atentamente cada opção, a fim de chegar às suas próprias conclusões antes de decidir aplicar ou não.

A Kavod também realiza uma criteriosa análise interna de crédito para aprovar uma empresa que deseja o financiamento. Se passar pela avaliação, ela vai para uma plataforma, em que inicia a captação de recursos com os investidores.

A análise é uma etapa fundamental para quem deseja entender o risco de investimento de um ativo, pois aumenta a segurança para tomar essa decisão. Sem ela, você poderá ficar mais suscetível a flutuações que podem prejudicar seus ganhos — as quais poderiam ser minimizadas ou evitadas, caso realizasse a avaliação adequada.

Ficou com alguma dúvida sobre o “termômetro de risco de investidor” ou que saber melhor como funciona o investimento em peer-to-peer lending? Entre em contato com nossa equipe de especialistas para que possamos ajudar você!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *