Poupança: uma péssima escolha de investimento!

A Caderneta de Poupança é um dos investimentos mais populares e, durante muito tempo, foi o mais querido dos brasileiros. Realmente, em décadas passadas, a poupança foi uma opção muito boa, pois superava a inflação e garantia aos investidores uma boa renda, ou seja, oferecia retornos atrativos. Investir na poupança era, portanto, uma boa ideia.

Atualmente, apesar de sua segurança, boa liquidez e da não incidência de imposto de renda, pode ser considerada um dos piores investimentos no Brasil.

Neste post, entenderemos o motivo pelo qual não vale mais a pena investir na poupança. Acompanhe!

A poupança mal consegue superar a inflação

Os moderados rendimentos da poupança não permitem, ou dificultam, que ela supere a inflação. Isso significa que quem deposita na mesma pode ter seu poder de compra comprometido.

Nesse sentido, a pessoa aplica seu dinheiro hoje e, daqui a um ano, não tem capital disponível guardado para comprar um produto que conseguiria comprar há 12 meses.

É como se o dinheiro poupado estivesse diminuindo e não aumentando, já que a inflação está mais alta que os juros da poupança.

Outros investimentos são mais rentáveis

Existem outros investimentos que descartam a necessidade de investir na poupança, pois oferecem maior rentabilidade. Entre eles estão: CDBs, fundos DI e Tesouro Direto. São investimentos que acompanham índices, como Selic, IPCA (índice de inflação) e CDI.

O fundo DI é um dos investimentos que oferece risco mais baixo no mercado. Mesmo com a incidência do imposto de renda, ele costuma oferecer rendimentos maiores que os da poupança.

LCI (Letra de Crédito Imobiliário) e LCA (Letra de Crédito do Agronegócio), além de oferecerem boa rentabilidade, estão isentas de imposto de renda. Sua desvantagem é que exigem, na maioria das vezes, um valor mais alto para investir.

Com os fundos de investimentos, no entanto, é possível investir em diferentes títulos rentáveis (inclusive LCIs e LCAs) gastando menos.

Há investimentos que oferecem mais segurança

Um dos principais motivos que levavam as pessoas a investir na poupança, principalmente os mais conservadores, é a segurança proporcionada por ela, já que conta com a cobertura do FGC (Fundo Garantidor de Crédito).

Entretanto, outros investimentos também têm cobertura do FGC, como CDB, LCI, LCA e letras de câmbio. Os títulos públicos do governo federal (como aqueles ofertados no Tesouro Direto) não têm garantia do FGC, mas também são seguros, já que a Casa da Moeda está sob custódia do Banco Central do Brasil, instituição ligada ao governo federal.

Existem excelentes opções modernas para investir

Ao invés de investir na poupança, considere opções mais modernas já disponíveis. O peer-to-peer lending, por exemplo, vem ganhando cada vez mais espaço na sociedade brasileira.

Trata-se de uma modalidade de empréstimo coletivo com bom equilíbrio risco X retorno e livre de burocracias. Ele facilita o acesso do gestor empresarial a empréstimos que podem contribuir para a expansão do negócio, sem ter que arcar com juros muito altos e sem a necessidade de intermediadores.

O gestor pode pedir crédito para qualquer coisa, desde que esteja relacionado ao negócio, ou seja, capital de giro para compra de equipamentos, aquisição de mercadorias, pagamento de funcionários e assim por diante.

Assim, o investidor pode ajudar a empresa que deseja e obter lucros com seu financiamento coletivo de forma prática e cômoda, sem ter que enfrentar a Bolsa de Valores, nem burocracias excessivas.

Definitivamente, não compensa investir na poupança diante do cenário que a economia nacional apresenta hoje. Existem formas melhores de aplicar seu dinheiro com segurança e ter um retorno satisfatório.

Agora que você já sabe que a poupança não é o ideal, aproveite para aprender sobre inteligência financeira, um conceito muito importante para quem deseja mergulhar com sucesso no mundo dos investimentos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *